Publicado em Deixe um comentário

Titans – uma série bem DC

Titans x Teen Titans

Se você apertou play na série de Titans esperando evocar sua infância/adolescência com uma abertura animada “T-E-E-N-T-I-T-A-N-S Teen Titans… Let’go”, pensou errado. Titans não é nada como você se lembra (já vem sem o Teen). O que antes era sobre os personagens mais jovens da DC estrelando seu próprio show, a série nova trás, além de um elenco reduzido de heróis, os tons sombrios e profundos característicos da (minha queridinha) DC.

A nova série da DC conta um pouco sobre o encontro da Ravena (Teagan Croft), Robin (Brenton Thwaites), Estelar (Anna Diop) e Mutante (Ryan Potter). É a primeira série do serviço de streaming da DC, que chegou recentemente à Netflix e já foi muitíssimo maratonada, incluindo por mim mesma

A violência em Titans

Os 4 do elenco principal estão um pouco mais maduros que a série animada de 2003 e sem o Ciborgue. Além disso, a série é bem mais violenta (BEM MAIS VIOLENTA), com muito sangue. Inclusive, as cenas de luta são incríveis, bonitas, em câmera lente e tem uma profusão de backgrounds interessantes. O nível de violência da série é realmente impressionante se você não está esperando por ela.

Titans

Acredito que a relação de violência da série e justamente pelo fato de que os supostos heróis estão sendo introduzidos em um momento de suas vidas em que as coisas estão “quebradas”, sem sentido, todos estão perdidos à sua maneira: Dick se encontrando, Estelar sem memória, Mutante sem identidade e Ravena sem o seu passado.

Titans - Ravena

Apesar de ouvir muitas críticas antes de assistir, sobre a caracterização dos personagens, achei muito legal a medida que fui vendo a série. Parecia fazer sentido no contexto. Inclusive, parte da beleza da série é justamente não seguir em nada os padrões da série animada. Mas ao mesmo tempo trazer alguns elementos de reconhecimento. O mutante permanece com a característica física do verde no cabelo e de quando se transforma. A Estelar continua com os olhos e a roupa roxa. A Ravena a gótica reprimida. E o Robin/Dick, o cara às sombras do trabalho de um outro cara assombrado pelo seu passado e suas escolhas. Além da tensão (sexual) entre Mutante/Ravena, Estelar/Robin.

Titans - Mutante
Mutante Verde

Plots

A história gira em torno inicialmente da Ravena, no seu controle dos poderes, nos seus pais, mas sua procura por um local comum, onde haja segurança e sem o medo constante que ela viveu por toda sua vida. Ela é o elo de ligação entre os quatro personagens: A Estelar a persegue sem saber bem o porquê, o Robin a conhece por sua função de detetive e o Mutante que a ajuda. Além da família nuclear que persegue o Robin e a Ravena, que dá um início incrível e um ponto de comunhão entre os membros da Equipe.

A Estelar me impressionou muito, achei que ficaria exagerado, mas ficou incrível no contexto. Ela literalmente esquenta a série do início ao fim. O Mutante também que foi mostrado numa espécie de “escola do Professor Xavier” versão DC, um início interessante, mostrando apenas uma forma animal que ele consegue se transformar. E acho que o Robin foi o que mais me impressionou nesses primeiros momentos, onde você não vê aquele cara perfeito e certo, que sabe todas as respostas, mas alguém assombrado, incluindo um passado com o Batman, apresentando um ponto de vista alternativo para a dupla já tão conhecida como perfeita: Batman e Robin.

Titans - Estelar
BUUUUUUURN!

Além do elenco principal

Acho que os 5 primeiros episódios foram incríveis, mas a série foi caindo de qualidade material. Apesar de ter gostado muito, alguns pontos me fizeram torcer o nariz. Além dos 4 personagens principais, temos outros dois heróis (ou anti-heróis) recorrentes. A dupla Rapina e Columba, que são Hank(Alan Ritchson) e Dawn (Minka Kelly) por exemplo. Além do Robin substituto do Dick após a saída dele de Gotham, quando o Batman e sua quedinha por órfãos substitui ele por Jason Todd (Curran Walters).

Titans - Robin
Fuck Batman

A história do Hank com o irmão por exemplo é tão absurda que me fez querer desistir. Já a Dawn é como foi definida por um amigo: “Blasé”, indiferente, a impressão que dá em alguns momentos é que forçaram ela a participar da série. Se eu pegasse o Robin, eu nunca ficaria com aquela expressão no rosto (há). Que é um ponto que eu achei interessante e promete ser aprofundado na série, a relação do trio dos pássaros: Robin, Columba e Rapina. E a relação Robin e Columba principalmente.

E agora?

Acredito que depois dessa série, a DC vá investir muito em relacionar todos os seus mundos. Já existe até uma possibilidade de crossover com o “Arrowverso”. E é provavelmente o motivo de o Ciborgue não ter aparecido.

Cybor <3
Chamem o Cyborg <3

O Futuro da série, aliás, promete muito, com a aparição da Moça Maravilha/Donna Tray, que já mostrou seu rostinho, mas promete ter sua aparição como heroína. E já tem imagens da sua futura roupitcha que está incrível.

Moça Maravilha em Titans: olha essa roupitcha

No fim de tudo, apesar de ter detestado o final, adorei o começo e o meio, os personagens, e um estilo a la “Watchmen” a ser desenvolvido. E isso me faz crer num futuro muito interessante pra série.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *